Triumph Tiger 900 - Apresentados cinco novos modelos para 2020

A Triumph Motorcycles apresentou uma versão base, duas versões turísticas ( GT e GT Pro ) e duas versões de aventura ( Rally e Rally Pro ) que vêm subistiuir as Tiger 800 em 2020

andardemoto.pt @ 4-12-2019 16:41:59

A marca de Hinckley reformulou completamente as Tiger de média cilindrada. A gama passa a ser composta por cinco novos modelos: Uma versão base, destinada a uma utilização polivalente e diária, duas versões de Aventura, a Tiger 900 Rally e Rally Pro, e duas versões Turísticas, a Tiger 900 GT e GT Pro.

A grande estrela destes novos modelos é o novo motor tricilíndrico de 888cc, já completamente conforme a normativa Euro5, e apresenta uma ordem de ignição 1,2,3 (180º) que lhe confere, além de uma potência muito doseável, um carácter característico com resposta imediata ao acelerador, tracção optimizada e generosa entrega de binário a baixa rotação, em paralelo com sons de admissão e escape bastante interessantes.

Em termos de potência, esta nova unidade motriz oferece um incremento de potência (relativamente aos modelos Tiger 800) cifrando-se agora nos 87Nm às 7,250rpm em termos de binário e um débito máximo de 95cv às 8750rpm.

Traduzindo isto em termos práticos, a Triumph anuncia uma maior aceleração seja no arranque seja em ultrapassagens.

A característica mais evidente está no novo radiador duplo, com cada componente disposto verticalmente, uma solução que confere um aspecto verdadeiramente agressivo, e que permite além de melhorar a refrigeração, optimizar o centro de gravidade do conjunto já que permite que o motor fique posicionado mais à frente e mais abaixo, sem no entanto comprometer a altura livre ao solo, mas contribuindo para melhorar o desempenho dinâmico em termos de agilidade e manobra a baixa velocidade.


Uma nova caixa de admissão dotada de um filtro mais facilmente acessível e uma embraiagem deslizante assistida completam a lista de principais modificações. Excepção feita à versão base, todas as outras podem ser configuradas, de forma reversível, para cumprir padrões definidos pela carta A2.

A ciclística também foi alvo de uma grande atenção por parte dos técnicos de Hinckley. A redução de 5kg no peso foi conseguida sobretudo à custa do novo quadro que agora apresenta uma construção modular, baseada numa estrutura em treliça de tubos de aço que agora conta com um sub-quadro em alumínio aparafusado que, em caso de acidente, pode ser substituído.  As pegas do passageiro também são aparafusadas, podendo assim ser removidas.

A suspensão conta agora com componentes mais nobres. Na versão base e nas versões GT, equipadas com jantes de 19 e 17 polegadas na roda dianteira e traseira respectivamente, a Tiger conta com material assinado pela Marzocchi que garante um curso de 180mm à roda da frente e 170mm à roda de trás.

Na versão GT Pro o amortecedor traseiro conta ainda com regulação electrónica com 4 níveis de pré-carga e 9 níveis de compressão. Apesar de a versão base não disponibilizar afinação da forquilha invertida, ambas as versões GT contam com regulação manual de pré-carga e extensão. A versão GT oferece ainda um modelo rebaixado com um curso de 151mm.


Nas versões Rally, equipadas com jantes de 21 e 17 polegadas, na roda dianteira e traseira respectivamente, a suspensão está a cargo de componentes Showa, completamente reguláveis manualmente, que conferem um curso de 240mm à roda dianteira e 230mm à roda traseira.

Na travagem também houve melhorias, com as Tiger a apresentarem agora pinças Brembo Stylema (monobloco de aplicação radial, com 4 pistões) na roda dianteira, precisamente as mesmas que foram concebidas especificamente para a radical Ducati Panigale V4, sendo mais leves e mais pequenas para melhorar a refrigeração das pastilhas e a resposta à manete à custa de um volume de líquido de travões inferior.  

As novas Tiger 900 contam ainda com um novo depósito de combustível com capacidade para 20 litros e um novo ecrã pára-brisas facilmente regulável manualmente, mesmo em andamento.

A ergonomia também foi revista, e conta agora com um assento mais estreito, regulável em duas posições (+ ou - 20mm), e guiador e poisa-pés reposicionados, sendo os últimos colocados em diferente posição conforme o modelo para melhor se adaptarem à sua utilização específica.


Em termos de electrónica a Triumph não fez concessões!

Nas versões GT e Rally vemos instalado um painel de instrumentos virtual, num TFT a cores de elevada qualidade, com 7 polegadas de diagonal (na versão base o TFT é de apenas 5 polegadas), que oferece quatro temas diferentes e, nas versões Pro, conectividade por Bluetooth através da My Triumph App (nas versões normais o módulo Bluetooth está disponível como opcional).

Este dispositivo permite navegar entre os modos de configuração da suspensão (no caso da GT Pro), GPS, ou ainda controlar câmaras Go Pro. O interface humano fica completo com o “joy-stick” instalado no punho esquerdo e um conjunto de botões iluminados (excepto na versão base).

Mas isto é apenas a parte visível do arsenal electrónico das noivas Tiger. Uma unidade de medição de inércia (IMU) da Continental, tem a cargo o “cornering ABS” e o controlo de tracção que seleciona automaticamente o nível de intervenção de acordo com os 6 modos de condução disponíveis, sendo que os modos Off-Road e Off-Road Pro contam com um assistente de ralenti que evita que o motor “vá abaixo” durante as manobras.

Na versão Rally Pro o modo Off-Road Pro desliga completamente o ABS e o controlo de tracção assim como adopta um mapa de ignição exclusivo.


A Iluminação é integralmente em LED e conta com DRL (luzes diurnas de alto brilho) com as versões GT Pro e Rally Pro a terem instalados de série faróis de nevoeiro também em LED.

Ambas as versões Pro estão equipadas de série com linha de escape integral em aço inoxidável, “quickshifter” integral, “cruise control”, punhos e assentos aquecidos (com regulação individual), monitor de pressão dos pneus e compartimento para o smartphone dotado de tomada USB.

Em termos de opção de cores, a versão base estará apenas disponível em branco, com as restantes versões a apresentarem um palete muito variada.

A gama de acessórios originais conta com 65 items para que qualquer motociclista possa adaptar a sua nova Tiger 900 ao seu gosto ou necessidades. 

Está previsto que as primeiras unidades vão chegar a Portugal em Março 2020, e o importador nacional já confirmou o preço para a versão base: 11.700€ PVP


Veja a Tiger 900 GT em pormenor:

Veja a Tiger 900 Rally em pormenor:

Ficha Técnica:

Motor: Tricilindrico refrigerado por líquido, DOHC de 12 válvulas

Cilindrada: 888cc

Potência Máxima: 95,2cv

Binário Máximo: 87Nm

Embraiagem: Assistida e deslizante, multidisco em banho de óleo

Caixa: 6 velocidades


Quadro: Treliça de tubos de aço, com sub-quadro desmontável em alumínio.

Pneu dianteiro: 100/90-19 (Rally: 90/90-21)

Pneu traseiro: 150/70-17

Suspensão dianteira: forquilha hidráulica invertida 45mm Marzocchi (regulável na GT) com 180mm curso / Showa regulável na Rally com 230mm de curso

Suspensão traseira: amortecedor a gás regulável (electrónico na GT Pro) e Showa regulável manualmente na Rally

Travão dianteiro: duplo disco flutuante de 320 mm c/ pinça Brembo 4 pistões com aplicação radial.

Travão traseiro: disco de 255mm com pinça de pistao único Brembo

ABS: Cornering ABS

Altura do Assento: 810-830mm (850 - 870 na Rally)

Distância entre eixos: 1556mm (1551mm na Rally

Peso a seco: 192kg (198kg na GT Pro e 201kg na Rally Pro)

Capacidade do depósito: 20 litros

Consumo referência: 5,2 litros/100km

Emissão CO2: 119g/km


andardemoto.pt @ 4-12-2019 16:41:59


Clique aqui para ver mais sobre: MotoNews