Mundial SBK – Jonathan Rea e a Kawasaki metem a 6ª!

Fim de semana de glória para Jonathan Rea e para a Kawasaki Racing Team no Circuito do Estoril. Norte-irlandês conquista o sexto título do Mundial Superbike e a Kawasaki assegura o título de construtores por um ponto! No circuito luso venceram Toprak Razgatlioglu e Chaz Davies.

andardemoto.pt @ 19-10-2020 11:14:30

À entrada para a última ronda do Mundial Superbike no Circuito do Estoril, os resultados finais estavam praticamente definidos. A Jonathan Rea apenas se exigia a conquista de mais três pontos para assegurar o seu sexto título consecutivo, enquanto a Kawasaki tinha uma última batalha para disputar com a Ducati para sabermos quem seria o campeão de construtores.

Scott Redding (Aruba.it Ducati) sabia que tinha uma missão quase impossível. Somar o máximo de pontos nesta ronda portuguesa de encerramento do campeonato (62 pontos), e ainda esperar que Rea sofresse uma série de azares que o impedissem de somar pontos em qualquer uma das três corridas do fim de semana no Estoril.

E a verdade é que as coisas até começaram bem para Redding. Na sexta feira, dia ocupado com treinos livres, o britânico e a sua Ducati Panigale V4 R rapidamente se posicionaram no topo da tabela de tempos. Jonathan Rea manteve-se na expectativa, de calculadora na mão, sabendo que não precisava de arriscar como o seu rival.

Os dados estavam lançados para o que seria um final de semana fantástico!


Na sessão de qualificação Superpole, e com todas as atenções centradas nos dois rivais que lutavam pelo título, acabou por ser o sempre rápido Toprak Razgatlioglu (PATA Yamaha World SBK) a levar a melhor e a conquistar a última Superpole da temporada. O piloto turco levou a melhor sobre Leon Haslam (Team HRC) que posicionou a ainda recente Honda CBR1000RR-R Fireblade na primeira linha da grelha de partida que ficou completa com a presença de Garrett Gerloff (GRT Yamaha World SBK Junior Team).

Enquanto isso, tanto Rea como Redding passaram por dificuldades.

Jonathan Rea perdeu a frente da sua Kawasaki Ninja ZX-10RR na curva 4. A moto japonesa inclusivamente acabou por bater na barreira já na escapatória. Ainda assim, Rea conseguiu registar um tempo válido antes da queda, o que lhe permitiu arrancar de 15º. Apesar disso o ter impedido de igualar o recorde absoluto de arranques a partir da primeira fila da grelha (17), Rea acabou por ter mais sorte do que Scott Redding.

O piloto da Aruba.it Ducati, depois de dominar os treinos livres, descobriu como o asfalto do Circuito do Estoril pode ser traiçoeiro. Redding sofreu um violento “highside” na curva 6, e para além de não ter conseguido levar a sua Panigale V4 R para a box para reparar e continuar a qualificação, o britânico também não registou qualquer volta válida e assim foi obrigado a arrancar de último na grelha de partida.



Se a sua missão já era quase impossível, a partir daqui só mesmo um milagre iria fazer com que Redding conseguisse adiar a conquista do título para além da Corrida 1 do Mundial Superbike no Circuito do Estoril.

Na Corrida 1 das Superbike, Toprak Razgatlioglu converteu em vitória, a sua segunda da temporada, a primeira “pole position” que obteve na categoria. O jovem turco da Yamaha arrancou decidido a terminar a temporada em grande, e desde início liderou a corrida portuguesa.

Atrás de Razgatlioglu a batalha pelas restantes posições do pódio aqueceu depois de Jonathan Rea ter realizado uma corrida à campeão!

O piloto da Kawasaki recuperou ainda na primeira volta nada menos do que oito posições. Depois foi ultrapassando rivais como o seu companheiro de equipa Alex Lowes e ainda o holandês Michael van der Mark (a fazer o último fim de semana enquanto piloto Yamaha), ficando Rea então com o pódio à vista.


Chegou mesmo a rodar em segundo, mas Chaz Davies (que se despediu da Aruba.it Ducati no Estoril) estava decidido a mostrar à marca italiana que não lhe terem renovado o contrato era um erro. Davies recuperou a segunda posição e deixou Jonathan Rea entretido com Garrett Gerloff, uma batalha que permitiu tanto a Razgatlioglu como a Davies fugirem para terminar a corrida de Superbike em primeiro e segundo.

Jonathan Rea também não conseguiu conter o surpreendente Gerloff, que assim completou o pódio da Corrida 1 com mais uma Yamaha R1.

Mas para Jonathan Rea isso não era problema. O seu quarto lugar permitiu-lhe somar os pontos suficientes para assegurar desde esse momento o seu sexto título consecutivo de Superbike – um recorde impressionante assinado pelo norte-irlandês da Kawasaki -, mas Rea nem precisava de ter terminado a corrida pois Scott Redding que arrancou de último sofreu um problema técnico na sua Ducati Panigale V4 R e abandonou a prova logo na sexta volta, o que efetivamente confirmava Rea como campeão.



Na corrida Superpole, Toprak Razgatlioglu voltou a repetir a sua performance dominadora da Corrida 1. O turco levou a Yamaha R1 oficial a mais uma vitória, a segunda consecutiva no Estoril, tendo sido acompanhado no pódio por Garrett Gerloff, este a conseguir tornar-se no primeiro americano desde Ben Spies a conseguir dois pódios consecutivos no Mundial Superbike.

Mais atrás Chaz Davies e Michael van der Mark lutaram durante as 10 voltas da corrida Superpole pela terceira posição, com o holandês a conseguir superiorizar-se ao galês da Ducati e assim completar um pódio exclusivamente Yamaha nesta segunda corrida realizada pelas Superbike no Circuito do Estoril.

Jonathan Rea e Scott Redding voltaram a ter de trabalhar toda a corrida para recuperarem posições, e eventualmente conseguiram cruzar a meta em quarto e quinto, respetivamente, o que deixava a luta pelo título de construtores em aberto para a Corrida 2 no Estoril.


Naquela que foi a última corrida da temporada, Chaz Davies despediu-se da melhor forma da Ducati. Arrancou decidido a alcançar a vitória e não demorou muito tempo até chegar à liderança da prova, passando então Toprak Razgatlioglu à segunda volta. A partir daí o piloto da Ducati arrancou para uma corrida perfeita e fechou da melhor forma a sua longa ligação ao construtor de Borgo Panigale.

Razgatlioglu e Jonathan Rea tiveram um momento mais “quente”, com o já campeão a tocar na traseira do piloto da Yamaha. Rea caiu, sem grandes consequências, e regressou quase de imediato à corrida tendo terminado em 14º. Infelizmente para Rea ainda não foi desta que conquistou a sua vitória número 100 no Mundial Superbike.

Mas a posição de Razgatlioglu não estava ainda assegurada pois Scott Redding quis também oferecer à Ducati um final de temporada em grande, e seguindo as pisadas de Chaz Davies, também Redding passou por Toprak Razgatlioglu e assim assegurou a dobradinha para a Aruba.it Ducati, que foi coroada como a melhor equipa desta temporada batendo a Kawasaki Racing Team. Incapaz de repetir as vitórias, Razgatlioglu subiu desta feita ao pódio no degrau mais baixo.


Com estes resultados a Kawasaki também consegue assegurar a vitória no campeonato dos construtores, terminando a temporada 2020 com apenas uma ponto de vantagem sobre a Ducati.

Nas contas finais do Mundial Superbike, Jonathan Rea fecha o seu sexto título consecutivo com um total de 360 pontos, Scott Redding é segundo com 305 pontos, e o terceiro classificado é Chaz Davies com 273 pontos.

Na luta pelo melhor piloto entre os pilotos independentes acabou por ser Michael Ruben Rinaldi (Team GoEleven Ducati) que levou a melhor sobre a Loris Baz (Ten Kate Yamaha). Rinaldi que, recorde-se, será piloto oficial Ducati ao lado de Scott Redding na próxima temporada.

Por equipas a melhor foi a Aruba.it Ducati que bateu a Kawasaki Racing Team, enquanto nos construtores foi mesmo a casa de Akashi a ser a mais forte e por apenas um ponto levou a melhor sobre a marca de Borgo Panigale.

andardemoto.pt @ 19-10-2020 11:14:30

Galeria de fotos


Clique aqui para ver mais sobre: Esportes