MotoGP, 2022, Le Mans – Oliveira resignado

2 quedas nos treinos e uma na corrida

Após o complicado fim-de-semana de MotoGP em Le Mans, Miguel Oliveira descreve a situação na KTM Red Bull e não quer ter nada a ver com tácticas de jogar pelo seguro nas corridas  

andardemoto.pt @ 17-5-2022 12:04:08 - Paulo Araújo

Miguel Oliveira não conseguiu levar para casa quaisquer pontos de MotoGP de Le Mans porque escorregou na chicane na fase final da corrida e caiu.

O português já tinha lutado para subir da 17ª na grelha de partida para a nona posição atrás do companheiro de equipa Brad Binder, que o tinha ultrapassado pouco depois do arranque.

Oliveira tem noção do que falta depois do fim-de-semana em França no MotoGP:

"Fomos mais rápidos em Le Mans do que em anos anteriores, mas os outros fabricantes também foram mais rápidos do que nunca, e mais rápidos do que nós a arrancar".

Mas o dentista em início de carreira também é inequivocamente claro sobre o que falta:

"Se quisermos andar em cruzeiro e apenas terminar as corridas, podemos fazê-lo, sim. Mas não queremos estar dependentes das falhas de outros pilotos à nossa frente para resultados".


Sobre a situação atual, Oliveira diz: "Neste momento, temos de andar mais de moto para sermos rápidos. Essa é a nossa única opção neste momento".

O problema parece definido no campo laranja. "Trata-se da travagem, da inserção em curva e da fase de aceleração. Mas estou optimista para o futuro".

O piloto de fábrica da KTM Red Bull elabora: "Também é preciso tempo para analisar os problemas. Não é um trabalho que seja feito assim do dia para a noite. A nova KTM é como a moto de 2020 em termos de filosofia, mas, claro, com muitas atualizações. É difícil comparar a moto de 2019 com a de hoje, que tem um melhor desempenho em todas as áreas".


andardemoto.pt @ 17-5-2022 12:04:08 - Paulo Araújo


Clique aqui para ver mais sobre: MotoGP