MotoGP – Motores “descongelados”. Boas notícias para KTM e Aprilia!

Comissão de Grandes Prémios anunciou alterações aos regulamentos. KTM e Aprilia podem continuar a desenvolver os seus motores, não há “wildcards” em 2020 e pontos de concessão sofrem modificações.

andardemoto.pt @ 15-5-2020 14:25:47

Numa temporada tão atípica, a Comissão de Grandes Prémios, formada por Dorna, FIM, IRTA e MSMA, tem estado particularmente ativa no que respeita à definição de regras e regulamentos do Mundial de Velocidade.

Com o regresso previsto para 19 de julho em Jerez, a Comissão de Grandes Prémios foi obrigada a realizar algumas alterações aos regulamentos.

A grande alteração agora anunciada é a possibilidade dos fabricantes com concessões, a KTM e a Aprilia, poderem continuar a desenvolver os seus motores, neste caso ambas com motores V4, até ao próximo dia 29 de junho.

Leia também – MotoGP: Está “congelado” o desenvolvimento dos motores e aerodinâmica


Esta decisão contraria a que foi tomada há cerca de um mês. Na altura foi decidido que o desenvolvimento de motores e aerodinâmica das motos estava “congelado”. Os motores deviam ser homologados para competição tal como estavam durante os testes do Qatar. Uma decisão bastante penalizadora para equipas com concessões como a KTM e a Aprilia.

Precisamente a Aprilia fez um enorme “forcing” para que a Comissão de Grandes Prémios permitisse a estes fabricantes continuar o desenvolvimento dos seus motores.

No caso da marca de Noale, o departamento Aprilia Racing realizou um enorme esforço para desenvolver um novo motor V4 para a temporada 2020, tal como uma moto totalmente nova. Apesar dos bons resultados obtidos por Aleix Espargaró nos testes de pré-temporada, onde o espanhol foi inclusivamente dos que maior velocidade registou com a nova RS-GP, a realidade é que o motor de Noale está ainda muito “jovem”.

E a fiabilidade é pouca. Especialmente numa competição tão exigente como MotoGP.

A Aprilia Gresini precisa de mais tempo para trabalhar no seu motor ao nível da fiabilidade. Fez o pedido para “descongelar” o desenvolvimento dos motores. Mas a KTM não aceitou. No entanto, a Comissão de Grandes Prémios acabou por entender a posição da Aprilia, e assim as duas marcas podem agora e até final de junho continuar a trabalhar nos seus motores.

A aerodinâmica continua “congelada”.

Leia também – Oficial – MotoGP arrancará em julho com duas corridas em Jerez



A segunda novidade anunciada pela Comissão de Grandes Prémios está relacionada com os pontos de concessão.

Os fabricantes de MotoGP estão divididos em duas categorias: com concessões, e sem concessões. Fabricantes com concessões (este ano apenas Aprilia e KTM) têm, numa temporada normal, alguns benefícios como desenvolvimento livre dos motores e aerodinâmica ao longo do ano, mais dias de testes com pilotos oficiais, entre outros benefícios.

Para se perder ou ganhar estes benefícios, os fabricantes recebem pontos de concessão. Uma vitória equivale a 3 pontos, um segundo lugar 2 pontos, e um terceiro lugar 1 ponto. Assim que atingem 6 pontos de concessão ao longo da temporada, perdem este estatuto na temporada seguinte. Se não atingirem os seis pontos de concessão, passam a ter as concessões.

De acordo com a Comissão de Grandes Prémios, o regulamento atualizado prevê que um fabricante sem concessões se torne num fabricante com concessões em 2021. Em sentido contrário, as equipas com concessões em 2020, a Aprilia e a KTM, podem no entanto perder o seu estatuto para 2021 caso somem 6 pontos de concessão esta temporada.

De forma extraordinária, os pontos acumulados pela Aprilia e KTM em 2020 serão válidos por duas temporadas. Ou seja, se por exemplo um destes fabricantes somar 3 pontos de concessão em 2020 e outros 3 pontos de concessão em 2021, em 2022 deixará de usufruir do estatuto.


A terceira novidade anunciada pela Comissão de Grandes Prémios diz respeito aos pilotos que pretendem fazer uma corrida esporádica. Os chamados “wildcards”.

Por norma os fabricantes utilizam alguns dos seus pilotos de testes para fazerem corridas esporádicas. Esta temporada o caso mais falado é o de Jorge Lorenzo. A Yamaha e Lorenzo tinham acordado que o espanhol seria “wildcard” da Yamaha no Grande Prémio da Catalunha, corrida entretanto cancelada.

Mas no sentido de evitar o acumular do número de pessoas e técnicos no paddock do Mundial de Velocidade, estão proibidos quaisquer “wildcards” em 2020. Esta decisão é válida para todas as categorias: MotoGP, Moto2 e Moto3.

Leia também – MotoGP: Jorge Lorenzo confirma que compete no GP da Catalunha



Nem Jorge Lorenzo, nem qualquer outro piloto que não seja piloto oficial das equipas será permitido participar num Grande Prémio.

Esta medida é válida para 2020, mas a Comissão de Grandes Prémios avisa que existe a possibilidade de se prolongar no tempo para a temporada de 2021. Caso a situação da pandemia Covid-19 continue a obrigar a restrições em termos de organização de cada GP, em 2021 também poderá não haver lugar a inscrições de “wildcards”.

Resta agora saber se o governo espanhol dará “luz verde” à realização do Grande Prémio de Espanha, em dose dupla, a 19 de julho no circuito Jerez Ángel Nieto.

andardemoto.pt @ 15-5-2020 14:25:47


Clique aqui para ver mais sobre: Esportes