Ducati Panigale V4 SP – A Sport Production está de regresso!

A casa de Borgo Panigale expande a família Panigale V4 com a chegada de uma versão exótica e bem equipada. Fique a conhecer os detalhes da nova Panigale V4 SP, o modelo que traz de volta a sigla Sport Production.

andardemoto.pt @ 18-11-2020 20:57:57

Os potenciais clientes que estejam a considerar a aquisição de uma Panigale V4 terão vida mais complicada em 2021. Tudo porque a Ducati não só melhorou as versões “normais”, se assim podemos dizer, Panigale V4 e V4 S, como ainda fez questão de mostrar que o seu departamento de competição sabe o que está a fazer.

A nova Ducati Panigale V4 SP torna-se na quarta variante da superdesportiva de Borgo Panigale que qualquer motociclista pode adquirir nos concessionários oficiais. SP, sigla que significa Sport Production, é uma denominação bastante importante para a marca italiana.

A primeira vez que a Ducati aplicou a sigla SP numa moto foi na 851. Desde então as versões SP sempre se caracterizaram por mostrar aos motociclistas todo o “know how” que o departamento Ducati Corse tem ao nível da preparação de motos especiais, pensadas para competir.


Esta nova Panigale V4 SP não é exceção!

A Ducati garante que um piloto amador será mais rápido com a Panigale V4 SP do que com a Panigale V4 R que a marca de Borgo Panigale utiliza como base de homologação da sua moto de competição para o Mundial Superbike. Mas como é que isso é possível? Não será a V4 R melhor moto para fazer tempos rápidos em pista?

A esta questão a Ducati responde apenas com o facto de que a V4 SP será menos exigente do ponto de vista de pilotagem do que a V4 R. Assim, um piloto amador terá maior facilidade em chegar ao limite e depois evoluir a partir daí, conseguindo melhores tempos.

Para isso a Panigale V4 SP conta com a versão atualizada para Euro5 do motor Desmosedici Stradale. O V4 italiano com distribuição desmodrómica desenvolve nada menos do que 214 cv às 13.000 rpm, enquanto o binário máximo é de 12,6 Kgm às 9.500 rpm. Com uma cambota contrarrotante e uma ordem de ignição “Twin Pulse”, este motor garante uma entrega de potência à roda traseira muito mais linear e contundente.



Tal como na V4 R, também a Panigale V4 SP conta com uma embraiagem a seco. Fabricada pela STM, a embraiagem EVO-SBK permite que o proprietário da moto ajuste a força da embraiagem aplicando diferentes molas secundárias que a Ducati disponibiliza no seu catálogo de acessórios Performance. A utilização desta embraiagem em vez da embraiagem da Panigale V4 ou V4 S garante que, numa utilização extrema em pista, o piloto pode usufruir do efeito deslizante mais pronunciado, prevenindo assim o bloqueio da roda traseira mesmo nas reduções mais agressivas.

Para que o característico som da embraiagem a seco seja audível, a Ducati disponibiliza, como equipamento apenas para uso em pista, um cesto de embraiagem aberto, fabricado em fibra de carbono.

A potência do motor atualizado é passada para a roda traseira através de uma corrente de passo 520, que é 0,4 kg mais leve do que a corrente usada nas Panigale V4 e V4 S. Também o pinhão de ataque e cremalheira são específicos desta versão SP.


Na ciclística a Panigale V4 SP destaca-se pela utilização de alguns componentes mais exóticos. Exemplos disso são as esbeltas e ultra-leves jantes em fibra de carbono, com um desenho de cinco braços subdivididos, estreadas na Superleggera V4. Estas jantes são 1,4 kg mais leves do que as de alumínio forjado usadas na V4 S. E uns estonteantes 3,4 kg a menos do que as jantes da versão base Panigale V4.

As pinças de travão dianteiras são as Brembo Stylema R, que contam com um pistões ventilados para maior capacidade de arrefecimento, garantindo uma potência de travagem constante ao longo de muitas voltas em circuito. Na travagem também temos de referir que o condutor conta com o sistema MCS – Multiple Click System.

Este sistema desenvolvido pela Brembo permite que o condutor ajuste rapidamente o “feeling” de travagem, enquanto a distância da manete ao punho é ajustada por um afinador localizado no punho esquerdo, tal como vemos nas motos de competição.



As suspensões são as mesmas unidades eletrónicas que encontramos na Panigale V4 S. Significa isto que a Panigale V4 SP dá uso a um conjunto de suspensões Öhlins, forquilha Nix30 e amortecedor TTX36, com controlo eletrónico. Também conhecidas como Öhlins Smart EC2.0, estas suspensões contam com parâmetros de funcionamento atualizados. Permitem que o condutor / piloto selecione diferentes afinações de acordo com os vários momentos de condução (travagem, aceleração, inclinação em curva), e depois garante que as suspensões só se tornam rijas nos momentos em que o sistema considera absolutamente necessário.

A eletrónica é outro dos pontos em destaque na nova Ducati Panigale V4 SP.

O atualizado pacote eletrónico desta superdesportiva inclui as seguintes opções:

- Bosch EVO Cornering ABS
- Ducati Traction Control EVO 3 (DTC EVO 3)
- Ducati Slide Control (DSC)
- Ducati Wheelie Control EVO (DWC EVO)
- Ducati Power Launch (DPL)
- Ducati Quick Shift up / down EVO 2 (DQS EVO 2)
- Engine Brake Control EVO (EBC EVO)
- Ducati Electronic Suspension EVO (DES EVO)


Nos modos de condução destaca-se a nova estratégia desenvolvida para 2021, especificamente para o modo Race. Este modo passa a estar dividido em dois mapas distintos: Race A e Race B. Com diferentes níveis de atuação dos parâmetros eletrónicos, o piloto pode facilmente comparar as diferenças entre cada um.

Na eletrónica destaca-se ainda a chegada da terceira geração do Ducati Traction Control. O DTC Evo 3 intervém na forma como o motor entrega a potência no momento em que voltamos a acelerar à saída da curva. Prevê qual a potência e binário máximos que a roda traseira aguenta antes de entrar em derrapagem, evita picos de potência que podem ser prejudiciais para os tempos por volta, e ao mesmo tempo faz com que o condutor usufrua de um “feeling” mais natural no acelerador.

Para aqueles que querem mesmo saber e analisar os seus tempos por volta, a Ducati inclui na lista de equipamento de série da Panigale V4 SP um valioso sistema de telemetria por GPS. O DDA + grava e depois permite que os dados recolhidos sejam descarregados para um PC, apresentando de forma detalhada diversas informações sobre a moto ao longo de uma volta.


Por último, e porque esta é uma moto especial que inclusivamente conta com mesa de direção numerada, falta-nos apenas falar na decoração da Panigale V4 SP.

Para uma moto deste calibre a Ducati e os seus designers inspiraram-se nas decorações que as motos de competição de MotoGP e do Mundial Superbike utilizam durante os testes de inverno. A decoração, apropriadamente denominada de “Winter Test”, conta com carenagens pintadas de preto mate que combinam na perfeição com as jantes em carbono com acabamento mate. As pequenas riscas vermelhas acentuam as formas esculpidas das carenagens e fazem a ligação com as tradicionais desportivas vermelhas de Borgo Panigale.

andardemoto.pt @ 18-11-2020 20:57:57

Galeria de fotos


Clique aqui para ver mais sobre: MotoNews