Ana Amorim Dias

Ana Amorim Dias

Escritora, advogada, empresária e motociclista

OPINIÃO

O som da DT do meu filho

Gosto muito mais do som da DT do meu filho do que da mítica melodia motorizada da minha Harley. Passei muito tempo, contudo, a proclamar que os dois sons mais belos, aos meus ouvidos, eram o cantar rouco e sedutor da minha princesita negra e as deliciosas vozes dos meus filhos a chamarem-me "mãe"... mas não! Fui descobrindo, ao longo dos últimos dois anos, que o som que me é mais querido é o da motorizada do meu filho mais velho, sempre que o consigo escutar, lá muito ao fundo, a entrar de novo na Quinta.

andardemoto.com.br @ 27-7-2017 12:23:31 - Ana Amorim Dias

Mas que conselhos pode, afinal, uma mãe motociclista dar aos seus filhos? Servirão eles para os manter mais seguros? Trar-lhes-ão alguma dose extra de preparação para a estrada e para a vida?


Não acredito, neste campo, em proibições absolutas. Não me parece que o "Nunca te quero ver numa mota, ouviste??" cumpra a pretendida função de os manter a salvo de todos os males, até porque, quando o "bichinho" das duas rodas habita neles, nada há que possamos fazer para os manter afastados para sempre. Parece-me muito mais sensato prepará-los e darmos o nosso melhor para fazer dos gaiatos condutores cuidadosos, conscientes dos perigos, e alegres detentores desse super poder de ser feliz sobre duas rodas apenas.
Hoje, aos dezasseis, dois anos depois de ter tirado a primeira licença possível, o Tomás demonstra-me amiúde a felicidade que a condução da sua 50 lhe traz. E eu fico feliz por ele, e sinto orgulho também, nele e em mim que tanto cresci com as motas.

"Quando montamos uma mota, meu amor, temos que ter um olho só, daqueles que dão a volta à cabeça toda! Temos que olhar para tudo e tudo ver; temos que prever o comportamento de todos os condutores e peões com que nos cruzamos e estar preparados para reagir às suas mais inesperadas ações. Temos que ter presente que, de cada interceção, pode sair uma besta que não se detém no seu stop e que há condutores que têm prazer genuíno em pregar-nos grandes sustos. Deves perceber, Tomás, que por mais que tenhas a prioridade, em caso de dúvida deves prescindir dela, porque muito mais vale oferecê-la do que comer alcatrão. Quero que entendas que mais importante do que a velocidade, é o prazer, e que a roupa que te protege vale muito mais do que o estilo. E acima de tudo nunca te esqueças que tens a tua vida nas mãos e que essa é a mais abnegada prenda que jamais te saberei dar..."

Sim, tenho imenso orgulho em ter filhos motociclistas, assim como muito me orgulho por saber aconselhá-los sabiamente e poder acompanhar tão de perto. Quero que um dia cheguem a ser aqueles motociclistas que mais admiro e que sempre foram, para mim, a maior inspiração: os motociclistas idosos. Deve ser por isso que o meu som preferido passou a ser o da DT do meu filho sempre que me chega aos ouvidos quando ele se aproxima de casa...

andardemoto.com.br @ 27-7-2017 12:23:31 - Ana Amorim Dias