Fábio Figueiredo

Fábio Figueiredo

À procura de um caminho alternativo

OPINIÃO

Tinha chegado onde queria ir

Se era verdade que o ponto de partida para o regresso a casa estava ali ao lado, também era verdade que o objectivo final da viagem não ficaria mais perto durante os próximos meses. Revisitei a minha pesquisa para encontrar uma informação que referia haver um acesso com 60 quilómetros de estrada nova e 40 de estrada em mau estado (que iria dar a Beket Ata, uma mesquita subterrânea), seguidos de 6 km fora de estrada para um lugar de uma vista maravilhosa. Não podia deixar passar.

andardemoto.pt @ 18-10-2019 15:57:12 - Fábio Figueiredo

A caminho de Zhanaozen

A caminho de Zhanaozen

Segui em direcção a Zhanaozen, o último ponto de abastecimento, por onde passava uma estrada em construção de duas faixas e quatro vias que ligava Aktau até depois de Zhanaozen, talvez até ao Turquemenistão, mais a Sul. Mesmo com gasolina de 92 octanas, a mota não se queixou, mesmo em baixos regimes.
Almocei, abasteci-me com água e combustível, desta vez com a octanagem correcta, e parti para o deserto.

A caminho do deserto

A caminho do deserto

A estrada nova era perfeita, suave, quase aveludada, uma indicação de que este país está a ser reconstruído e onde se aposta na longevidade, os sessenta quilómetros passaram no que pareceu um instante e que fizeram um drástico contraste com o que veio a seguir.
Por baixo de uma camada de pó e gravilha estavam os vestígios de uma velha estrada que só posso imaginar ter sido construída há várias décadas como um monumento às estradas bombardeadas durante a guerra e que servia como percurso de testes às suspensões de veículos de ralis em campos minados e o pior piso onde alguma vez circulei. Era difícil passar dos 50 km/h e mesmo a 30 estava com dúvidas se o meu portátil conseguiria sobreviver à brutal vibração que testava cada parafuso, cada milímetro de curso da minha suspensão e cada osso do meu corpo. Era tão mau que a certa altura decidi sair da estrada para o caminho de serviço dos camiões que construíam a estrada nova que ladeava estas duas vias. 


Era melhor, mas mesmo isso acabou. Ao voltar à estrada principal caí por falta de apoio e a mota ficou encalhada entre a roda da frente e a mala lateral onde estava o portátil. Foi mais um aviso do que podia correr mal e mais um teste passado em alguns minutos. O resto do caminho foi apenas melhor que o primeiro troço, mas já conseguia circular a 70. Com o sol a pôr-se, era altura de fazer o desvio pela terra batida para ir acampar. A vista para o canhão de Bozzhira era, de facto, dramática, um testamento à imponência da natureza, um olhar para o que seria esta zona sem influência humana. Era a natureza no seu estado mais bruto. Tinha chegado a onde queria ir.

Podem acompanhar a viagem também no meu Instagram. instagram.com/the.nowherer


Clique nos links em baixo para ler toda a viajem ou escolha uma das parte:

andardemoto.pt @ 18-10-2019 15:57:12 - Fábio Figueiredo


Clique aqui para ver mais sobre: Opiniões