Teste Triumph Scrambler 1200 XE - Aventura com Estilo

Com as malas de alumínio a generalizar-se, não admira que as motos de aventura comecem a enveredar por estilos retro (Scrambler) para responderem a uma clientela mais sofisticada. A Scrambler 1200 da Triumph está aí a prová-lo.

andardemoto.pt @ 6-5-2019 14:47:15 - Texto: Rogério Carmo | Fotos: ToZé Canaveira

Faça uma consulta e veja caracteristicas detalhadas:

Triumph Scrambler 1200 XE | Moto | Classics


A Triumph lançou recentemente no nosso mercado o mais recente membro da familia Bonneville: a Scrambler 1200.

Disponível em duas versões, a XC, mais estradista, e a XE, cujo “E” significa “Extreme”, ou seja, com uma maior aptidão para o fora de estrada.

Ambas são motorizadas pelo mesmo bicilíndrico paralelo HP de 1200cc que também equipa a radical Thruxton, mas que foi revisto no seu interior para diminuir a inércia e redistribuir a potência com mais enfoque nas baixas rotações, objectivo que a nova centralina também ajuda a conseguir.

Foi o que pude constatar ao longo dos dias (infelizmente poucos) que tive oportunidade de conviver com a unidade de teste disponibilizada pelo importador, uma elegante versão XE que pode ver nas fotos.

Na realidade a entrega de potência do motor “Hi-Power” revela-se muito mais linear que o das suas congéneres Bonneville T120 e Thruxton, muito mais eficaz, como já tinha tido oportunidade de encontrar poucas semanas antes, quando participei na apresentação da nova Bonneville Speed Twin.

Um motor muito mais “cheio” de binário do que a grande parte da sua concorrência mais directa, as modernas “adventure bikes” de média cilindrada, com potências também a rondar os 100cv, mas com faixas de regime muito mais dilatadas.

A bem da verdade esta Triumph Scrambler 1200XE é de uma classe e dum estilo à parte, e por isso oferece também uma condução muito diferente, mas não menos satisfatória. Pelo contrário. 

Em qualquer dos modos de condução, e são seis incluindo o Off Road Pro que permite desligar por completo o ABS e o controlo de tracção, a resposta ao acelerador é contundente, sentindo-se os mais de 100Nm de binário logo a partir das 2.500rpm e até por volta das 6.000rpm, sem qualquer hesitação e sempre com uma sonoridade verdadeiramente interessante. Além de modos de motor, com diferentes entregas de potência, o acelerador electrónico ainda proporciona cruise control.

A caixa de seis velocidades, bem escalonada e extremamente precisa, é auxiliada por uma embraiagem “slip&assist” que torna a manete extremamente leve, além de proporcionar um efeito deslizante que evita o bloqueio da roda traseira sob desaceleração.


A travagem não foi deixada ao acaso pois a Triumph equipou a Scrambler 1200 XE com pinças Brembo M50 de quatro pistões, de instalação radial, e bombas radiais Brembo MCS, dotadas de regulação da intensidade da mordida inicial, que fazem o seu trabalho hidráulico através de tubagens reforçadas a malha de aço.

O ABS é assistido por uma avançada unidade de medição de inércia da Continental, que também trabalha em conjunto com o controlo de tracção, proporcionando uma excelente confiança em curva, que se faz sentir sobretudo nos pisos menos aderentes.

Para cumprir os desígnios de uma utilização “extreme” fora de estrada, a Triumph recorreu a suspensões de elevado gabarito, com dois impressionantes amortecedores Ohlins na traseira, concebidos especificamente para este modelo, e uma forquilha invertida, também Ohlins, de 47mm de diâmetro, que à semelhança dos amortecedores é igualmente completamente regulável, garantindo um impressionante curso de 250mm em ambos os eixos (como termo de comparação, a forquilha da Africa Twin tem sensivelmente o mesmo curso, com jarras de apenas 45mm).

Na versão “XC” as suspensões têm especificações diferentes, com menor curso. A proporção da ciclística também é diferente entre os dois modelos, com a “XE” a apresentar uma maior distância entre eixos, devido a um braço oscilante mais longo, e à forquilha ser mais inclinada.

Neste teste, e como a Triumph Scrambler 1200XE estava equipada com pneus mais vocacionados para o asfalto, não me aventurei muito por maus caminhos, mas nas pequenas incursões fora de estrada que tive oportunidade de fazer, não pude deixar de apreciar o bom trabalho das suspensões, mesmo a alta velocidade, em estradão de macadame.

A estabilidade é grande, proporcionando uma enorme confiança, mesmo sob forte travagem, sendo fácil de inserir em curva com recurso ao acelerador, graças ao modo “off-road”, que deixa que a roda traseira patine sob aceleração, mas sempre de forma controlada, isto sempre quando se trate de troços rolantes. Este modo também desliga automaticamente o ABS na roda traseira, mantendo no entanto o controlo da roda dianteira. 

Em pisos mais técnicos, e mais sinuosos, com curvas de raio curto, como nos trilhos, a tarefa torna-se necessariamente mais trabalhosa devido ao respeitável peso do conjunto. Ainda assim, o centro de gravidade bastante bem calculado e a excelente brecagem proporcionam alguma vantagem nas manobras mais complicadas.

Mas a Triumph Scrambler 1200 XE brilha é no alcatrão! As ajudas electrónicas e a sua ciclística prestam-se a andamentos bastante rápidos, potenciados pela boa altura livre ao solo que garante inclinações bastante acentuadas sem sequer chegar a raspar os poisa-pés no chão, e pela compostura da suspensão, pela potência de travagem e, claro está, pelo excelente desempenho do motor e da caixa de velocidades. 
Apesar de o conforto ser bastante penalizado pela falta de protecção aerodinâmica, a Scrambler 1200 XE compensa com uma excelente  experiência de condução, tanto mais que o interface humano torna bastante fácil configurar os diversos parâmetros da electrónica de forma muito simples e intuitiva.

O sistema de ignição sem chave é interessante, sem dúvida, mas o transponder é demasiado grande, já que inclui a chave convencional necessária para abrir o tampão da gasolina e também trancar a direcção.

A iluminação, integralmente em LED, é potente, mas devido ao farol estar solidário com a direcção, não é das melhores que tenho podido experimentar. Em contrapartida os botões dos punhos são retro-iluminados.


Tendo em conta o nível de preço, é quase indesculpável a Triumph não ter instalado também, de série, um “quickshifter” integral.
Por outra perspectiva, na Scrambler 1200 XE os punhos aquecidos são equipamento de série, assim como a tomada USB. Além disso, o sistema de “infotainment” pode controlar remotamente câmeras GoPro, através da rede Bluetooth.

Da mesma forma, é possível emparelhar o smartphone e desfrutar de navegação curva a curva assistida pelo Google Maps, com recurso à Triumph App, uma aplicação para o smartphone que permite definir previamente pontos de interesse e rotas, sendo compatível com sistemas iOS e Android. Ouvir música ou receber e fazer chamadas telefónicas são outras das funcionalidades que o sistema oferece.

Em termos de consumos de combustível, a Triumph anuncia médias de 4,9l/100km, mas a minha habitual condução pouco economicista revelou valores ligeiramente abaixo dos 5,9I/100km, até porque tendo em conta a inexistente protecção aerodinâmica, velocidades acima dos 140km/h, onde os consumos têm tendência a disparar, são penosas e por isso pouco prováveis. Os intervalos de manutenção de 16.000km são outro atractivo, e uma prova da confiança que a Triumph tem na sua tecnologia.

Mas tudo isto são pormenores. Se nos afastarmos uns metros, e olharmos para a Triumph Scrambler 1200XE, mesmo sem qualquer acessório opcional instalado (e a gama é grande e tentadora), percebemos imediatamente que nesta moto tudo tem a ver com estilo, glamour e bom gosto.

As suas linhas clássicas, intemporais, o design simples e apurado, a qualidade de construção e os níveis de acabamento são impressionantes e não deixam ninguém indiferente. Pormenores como a cinta metálica de suporte do depósito de combustível ou a sua tampa de estilo Monza, o design do descanso lateral e das protecções de punhos, ou mesmo o dos esticadores da corrente de transmissão são apenas alguns dos exemplos.

Veja a Triumph Scrambler 1200XE em pormenor:


Por isso nem vou estar aqui a fazê-lo perder mais tempo! Passe num dos concessionários da marca e veja por si próprio, e se não se deixar intimidar pelo seu tamanho nem pelo seu preço, marque um test-ride e decida se ela pode ou não ser a próxima a ir morar para a sua garagem, e deixá-lo impaciente para ter uma aventura... cheia de estilo.


Equipamento:

Faça uma consulta e veja caracteristicas detalhadas:

Triumph Scrambler 1200 XE | Moto | Classics

andardemoto.pt @ 6-5-2019 14:47:15 - Texto: Rogério Carmo | Fotos: ToZé Canaveira