Teste Kawasaki Z650 - Versatilidade com Estilo

Não é todos os dias que encontramos uma moto versátil, bem equipada, com muito estilo e um preço muito razoável. Por isso esta renovada Kawasaki chamou a nossa atenção.

andardemoto.pt @ 11-2-2020 07:00:00 - Texto: Rogério Carmo | Fotos: Rui Jorge

A Kawasaki Z650 já se tinha afirmado como uma excelente opção para quem quer uma moto versátil, capaz de enfrentar todo o tipo de estrada e condição de trânsito, proporcionando sempre uma excelente experiência de condução. Sobretudo para os condutores menos experientes. 
Na tradição da sua antecessora, a bem sucedida Kawasaki ER-6, a Z650 revela-se extremamente fácil de conduzir, sendo especialmente apropriada para condutores de baixa estatura devido à baixa altura do assento e ao peso bastante contido. Mas não pense que um condutor mais volumoso vai ficar acanhado aos comandos desta moto.

Pelo menos o meu metro e oitenta não encontrou dificuldade em se acomodar na perfeição, sem qualquer reclamação, mesmo ao fim de um dia de teste e sessões de fotos. O único que pude observar, ao conduzir a par com outros jornalistas presentes na apresentação organizada pelo importador nacional, em estradas algarvias, é que, devido à maior carga e volume, a velocidade máxima vê-se, como seria de esperar, ligeiramente penalizada.

O que tinha agradecido era um melhor estofo do assento, já que, ao cabo de uma hora de condução, o que é equipamento de série começa a fazer-se sentir. Ainda assim, a Kawasaki fornece em opcional um assento ligeiramente mais alto e mais almofadado que deverá resolver esse problema.

Talvez por isso, desde 2016, já foram vendidas na Europa cerca de 38.000 unidades e a marca mostra-se bastante entusiasmada com os resultados que as alterações agora introduzidas podem potenciar. E não são poucas, nem pouco relevantes.

A renovada Z650 viu a carenagem frontal redesenhada, mais vincada para melhor se integrar na imagem da família “Z”. A Iluminação é agora integralmente em LED. O novo painel de instrumentos em TFT a cores, de 4,3 polegadas, e de grande qualidade, é visualmente bastante apelativo, e proporciona uma boa leitura em qualquer tipo de luminosidade, podendo ser alterado entre fundo branco ou fundo negro conforme o gosto de cada utilizador. Disponibiliza toda informação relevante, de forma a ser facilmente lida, com gráficos bastante apelativos e um menu de configuração bastante lógico e fácil de entender.

Integra ainda conectividade com Smartphone por Bluetooth ao motociclo através da aplicação gratuita “RIDEOLOGY THE APP”, disponível para Android e iOS, e que permite guardar no telemóvel informações sobre a moto e o percurso.

O motor mantém a sua arquitectura básica, mas já é compatível com a normativa Euro5, apresentando menos emissões de poluentes, sem que o seu desempenho tenha sido penalizado. A entrega de potência continua extremamente suave e doseável, desculpando mesmo a ausência de controlo de tracção e de embraiagem deslizante.

Além disso a Kawasaki anuncia que este modelo, tal como toda a gama comercializada a partir de 2020, passa a ter intervalos de manutenção de 12.000 quilómetros, e até mesmo a revisão dos 1.000 quilómetros pode ser evitada, apesar de ser recomendada.


A caixa de velocidades mostra-se bastante precisa e bem escalonada, mas a grande elasticidade do motor, que responde muito bem desde baixos regimes, evita a necessidade de trocar frequentemente de relações.

A suspensão mantém as características da versão anterior, sem afinação na forquilha hidráulica e apenas ajuste de pré-carga no amortecedor traseiro, mas sendo bastante confortável em mau piso e apresentando um comportamento em curva e sob travagem bastante aceitável, já que apenas começa a mostrar-se menos firme quando se aumenta o ritmo muito para lá daquilo que é razoável na via pública.

Até porque, outra melhoria que este modelo apresenta são os novos pneus Dunlop Sportmax Roadsport 2 que elevam o desempenho dinâmico para níveis bastante mais interessantes, potenciando a inserção da moto em curva, uma maior velocidade de passagem em ângulo e um melhor desempenho da travagem, mesmo a baixa temperatura. No entanto, condutores mais experientes poderão, ainda assim, beneficiar de borrachas mais sofisticadas.

Por falar na travagem, este é um dos pontos fortes da Z650, já que o material de fricção e hidráulico, ambos assinados pela Nissin, revelam-se extremamente competentes, com uma mordida inicial forte, mas sem exageros, consistente ao longo de toda a desaceleração, e uma excelente dosagem da manete, sendo que apenas solicita a intervenção do ABS em caso de reconhecido exagero.

Também o assento do passageiro foi revisto, sendo agora mais acolchoado para proporcionar maior conforto ao passageiro que, infelizmente, continua sem pegas para se agarrar.

Em andamento a Z650 revela-se extremamente agradável de conduzir, oferecendo níveis de segurança elevados, que permitem conduzir com extrema confiança em qualquer cenário. A roda dianteira consegue transmitir bastante informação e a inserção em curva surge quase intuitiva.

Durante este teste não tivemos oportunidade de medir consumos, e nem os ritmos adoptados permitiriam um cálculo razoável, mas o depósito, com uma capacidade total de 15 litros de combustível, deve garantidamente proporcionar autonomias práticas acima dos 200 quilómetros.


Fácil de manobrar, com uma razoável brecagem e um centro de gravidade bastante baixo, a Z650 afigura-se como uma excelente opção para qualquer motociclista que pretenda versatilidade de utilização, já que seja no centro da cidade em hora de ponta, ou numa estrada deserta, o seu desempenho está acima da média.

A qualidade de construção elevada, os acabamentos cuidados e alguns pormenores de construção como o farolim traseiro em forma de “Z”, a pintura do quadro em verde (nas cores preta e branca) tornam esta Kawasaki numa moto que não passa despercebida.

A Z650 já está disponível na rede de concessionários da Kawasaki, nas cores preta, branca e verde, por um  PVP de 7.390€. 
A versão “Performance”, que irá estar disponível a partir de Março de 2020, terá um preço de 8.990€, e vem equipada com uma linha de escape integral em titânio da Akrapovic, tampa do assento do passageiro à cor da moto e protecções do depósito de combustível.
A Kawasaki Z650 está também ao abrigo da campanha de oferta de equipamento, composta por blusão ALPINESTARS T-SP1 WP, luvas ALPINESTARS SMX-1 e Capacete SCORPION EXO 390 PATRIOT, que representa um valor de 380€ (PVP).

Equipamento:

andardemoto.pt @ 11-2-2020 07:00:00 - Texto: Rogério Carmo | Fotos: Rui Jorge


Clique aqui para ver mais sobre: Test drives