Susana Esteves

Susana Esteves

Jornalista e motociclista

OPINIÃO

Mitos, ditos e mexericos

Os motociclistas são os mal amados do asfalto. As trotinetas e as bicicletas já quase dividem connosco os odiozinhos de estimação carinhosamente alimentados por automobilistas e peões, mas ainda lhes faltam alguns quilómetros para terem direito ao rol de adjetivos deveras lisonjeiros que tão bem identificam a nossa “espécie”.

andardemoto.pt @ 25-8-2021 17:20:00 - Susana Esteves

Há algum tempo escrevi sobre algumas das ideias que foram construídas ao longo dos anos em torno dos “Feios, porcos e maus” das duas rodas. O que não disse foi que as mulheres são ainda mais especiais e têm direito a categorias só suas, com mitos e ditos que vão sendo promovidos por mentes quadradas e cineastas “inspirados”. Ora toda a gente sabe que se está na televisão, é porque é verdade.

As mulheres que andam de moto têm um ar masculino.

Se calhar não é com muito orgulho que posso dizer que já tive a sorte de ser alvo deste carinhoso elogio. Veio da boca de uma mãe preocupada que alertava a sua filha para os efeitos secundários das motos na imagem. Toda a gente sabe que os gases do escape entram no nosso DNA feminino e destroem todo o cor de rosa que há em nós, deixando apenas um rasto de pequenas mutações masculinas que nos tornam execráveis. É claro que na altura só me apeteceu sorrir, cuspir para o chão e usar a mão para fazer jus ao personagem e coçar os... Mas fiquei-me pelo sorriso.

A ideia da mulher grande e durona, que só veste calças, anda de perna aberta e usa casacos cheios de caveiras e correntes ainda existe, e é muito cultivada pela ideia de que as motos são para os homens. Cada uma roda punho como quer, até de vestidinho de folhos se for preciso.

Mulheres de moto são as “hot sexy babes”

Afinal parecem homens ou são sexys? Depende da pessoa e dos filmes que costumam ver nos cinemas. A “bomba” motard é muito alimentada pelos filmes americanos. É a personagem da calça de cabedal justa, do top minúsculo, das sandálias de salto agulha douradas, do cabelo solto (habitualmente em câmara lenta) e perfeitamente penteado, mesmo após horas de perseguição e acrobacias vertiginosas. São as dos calendários e das fotos das redes sociais, que se espreguiçam confortavelmente em cima da moto. Sim, porque quando queremos descomprimir as costas, o que fazemos é desafiar as leis da gravidade e equilibrar de forma sexy e perfeita o nosso corpo no topo de uma moto.

Lamento estragar algumas fantasias, mas este é o típico cenário Expectativa versus Realidade - todos esperam o cabedal e os saltos, e às vezes até têm sorte, mas na maior parte das vezes sai a “fava” - miúdas com casacos que acrescentam 10 quilos, ou com fatos de chuva de homem XL (porque não encontram modelos de mulher), e cabelos desgrenhados do capacete (ou “lambidos” no pico do calor). Mas atenção: tudo isto, com estilo.

Mulheres com motos têm o corpo cheio de tatuagens e piercings

É. Todas. Tipo seita satânica. E aos domingos oferecemos cabras em sacrifício e assaltamos velhinhos. Toda a gente sabe que quem não tem tatuagens não pode ser motociclista.

Há cada vez mais mulheres com carta de moto, mas têm motinhas

Esta frequente distinção entre motos e motinhas deixa-me sempre com vontade de debater aquela questão dos tamanhos e da potência, mas agora não temos tempo. Há algumas semanas vi um anúncio de venda de uma moto desportiva de alta cilindrada no qual o vendedor sublinhava que apenas a vendia a homens. Fiquei a pensar no porquê desta ressalva.

·         -  Será́ que o senhor tinha medo de fazer negócio com uma mulher?

·         -  Seria uma preferência perfeitamente aceitável pelo sexo masculino?

·         -  Será que o banco tinha algum problema anatómico?

·         -  Ou talvez aquela velha questão das mãozinhas?

“Não tens mãozinhas para isso.” Pois não. Toda a gente sabe que só os meninos podem montar e controlar as grandes e potentes desportivas. As meninas vestem cor de rosa e conduzem scooters (pequeninas, porque nas grandes podem cair). É a velha questão do tamanho, mas não temos mesmo tempo.

Mães com motos são irresponsáveis

Ouvi muitas vezes isto. De todo o portefólio de elogios espirituosos este é o mais desagradável. A ideia de que todos os motociclistas são aceleras, imprudentes, mal educados e exibicionistas cresce como erva daninha. Alguns são, tal como os automobilistas. Isso significa que as mães que levam os filhos nos carros também são irresponsáveis? Aceito os argumentos que as motos são mais perigosas. Mas quem leva os filhos à pendura tem cuidados extra. E as dezenas de mães que levam os filhos no carro enquanto conduzem a falar ao telemóvel. Também há um portefólio de elogios especiais para essas?

Quem gosta das duas rodas partilha de uma paixão que se sobrepõe a qualquer padrão de beleza ou social. A liberdade que sentimos não tem preço e é isso que importa.

Boas curvas

30-11-2020

andardemoto.pt @ 25-8-2021 17:20:00 - Susana Esteves

Outros artigos de Susana Esteves:

Quatro patas em duas rodas

Equipamentos que não precisamos, mas que depois não podemos viver sem eles

Quer uma moto? Tire senha e aguarde a vez

Quem arrisca… às vezes petisca o que não quer

Mulheres motociclistas nas compras? Não há opções, não há vícios.

Amor sem idade

Automáticas: sim ou não?

Vendo, não vendo. Vendo, não vendo

Podia ter sido o dia perfeito… não fosse o raio da porca

Próxima paragem: (A definir)

Arrisco a multa ou arrisco o encosto?

A paixão pelas motos passa com a idade?

Motoclubes: esses antros de má vida

Cuidado!! Motociclos aumentam risco de sociabilidade

Quem corre por gosto…

Problemas na mota? Eis o manual de sobrevivência!

O vírus do motociclista virgem

Oitos: o bicho mau das aulas de condução

Proibição de andar de mota: como sobreviver à ressaca

A minha primeira vez

A melodia de um belo ronco

Filho de peixe não sabe nadar porque eu não quero!

Foge que é pendura!

Mota roubada, trancas à solta

Viagens longas de 125: há rabo que aguente?

Andar de mota: o lado menos sexy da coisa

Motociclista: esse bicho raro

Sexo, motores e pecado

Afinal somos grandes (mas só na altura de pagar)

Inverno em 2 rodas

As regras são para…

Inteligência ou mariquice?

Férias em duas rodas - Não negue à partida uma experiência que desconhece

Férias em duas rodas - Não negue à partida uma experiência que desconhece

Falta-nos um “bocadinho assim”…

Segurança ou liberdade?

Motoshow 2017: É pró menino e prá menina

O tamanho importa?


Clique aqui para ver mais sobre: Opiniões